Por Niágara Braga

O Dia Nacional do Livro é comemorado em 29 de outubro.

A data passou a marcar o calendário comemorativo do país em 1810, quando a Coroa Portuguesa determinou a criação da primeira biblioteca brasileira, que viria a ser a Biblioteca Nacional, localizada no Rio de Janeiro.

Apesar de o Brasil ser um país em desenvolvimento, temos grandes nomes na literatura nacional reconhecidos em todo o mundo. Assim como temos uma rica vertente do jornalismo literário, com narrativas sociais e sensíveis incríveis. Por isso, hoje nós indicamos 5 livros escritos por jornalistas brasileiras que você precisa ler.

Confira abaixo:

– O olho da Rua (Eliane Brum): Gaúcha, a jornalista é uma inspiração para quem deseja ingressar no jornalismo literário. Nessa obra, Eliane apresenta dez grandes reportagens trazendo um olhar da realidade sob uma perspectiva humana e às vezes bem dura, mas sempre emocionante.

– Tragédia em Mariana (Cristina Serra): A paraense propõe uma reportagem definitiva sobre o desastre ambiental ocorrido na barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, em 2015. Além de trazer uma apuração precisa sobre os fatos, proporciona também um olhar para o social, para a memória e para o impacto humano do ocorrido. 

– Cova 312 (Daniela Arbex): A jornalista mineira é um dos nomes mais destacados do jornalismo literário nacional. Essa sua obra foi vencedora do Prêmio Jabuti e compõe um dos grandes sucessos da autora, junto ao “Holocausto Brasileiro”, entre outros títulos. Nesse livro a escritora conta como as Forças Armadas mataram pela tortura um jovem militante político, forjaram seu suicídio e sumiram com seu corpo.

– Presos que menstruam (Nana Queiroz): Nessa obra marcante, a repórter paulista traz à tona uma realidade que muitos não querem ver: a vida brutal das mulheres nas prisões brasileiras. A jornalista dá voz às presas, ouvindo suas histórias desde o que as levaram até o cárcere até o dia a dia no presídio. A obra reflete sobre a feminilidade negligenciada, trazendo um olhar humano à temática.

– Quando me descobri negra (Bianca Santana): Esta obra é um diálogo da jornalista paulista com os leitores, abrindo suas experiências pessoas e sua autodescoberta no mundo negro. O livro abre horizontes para discussão sobre a negritude no Brasil, seu preconceito estrutural e o impacto dessa inconsciência na construção da identidade individual e social.

E aí, gostou das nossas dicas? Vem continuar esse bate-papo com a gente lá no nosso Instagram @UsinadeNoticias!

Deixe um comentário

catorze − 3 =