Por: Anderson Fonseca, Jornalista

A definição do dicionário já não nos cabe mais. Mutáveis como a velocidade atual da informação, definir um jornalista como a “pessoa que, por hábito ou profissão, exerce atividade jornalística em órgão da imprensa (jornal, revista, rádio, televisão.) ¹” já não parece comportar todas as possibilidades da profissão.

Se antes o jornalista era visto dentro de redações ou sujando os sapatos com um bloco e uma caneta na mão, essa figura, tão presente no imaginário coletivo, é completamente diferente para a geração mais jovem. A tecnologia não revolucionou só os meios de comunicação, mas também transformou aqueles que usam dela para contar histórias.

Tiktok, YouTube, Instagram, Spotify, Twitter e até o Pinterest. Não importa a plataforma ou o formato, você vai encontrar um jornalista por lá. Quase certo que não será da forma como você imagina ou espera, mas a surpresa vai fazer parte do processo. A única certeza é que o principal vai estar presente: a informação qualificada, verificada e conversando no tom exato de quem procura ou precisa ler, ver e ouvir.

Pode ser em veículo tradicional, na mídia alternativa, escrevendo um post, redigindo para blog, revisando um ebook, construindo releases ou roteirizando um podcast. Você vai perceber o cuidado em cada etapa do mantra – pesquisar, apurar, investigar, construir e revisar. As funções assumidas por um jornalista são inúmeras e o universo da comunicação é amplo de mais para as caixinhas predefinidas que não dão conta das mudanças. Os conhecimentos da faculdade e a experiência no dia a dia se somam aos aprendizados constantes. A cada pauta, um universo inteiro se abre. Se antes um bom texto bastava, hoje é necessário estratégia e adaptação. O que aprendemos agora para escrever a legenda de um post, amanhã pode virar a ideia de um vídeo ou de uma reportagem. 

Se você já precisou se informar sobre um curso, retirar dúvidas sobre seus direitos, curtir as novidades do time do coração, pesquisar a abertura de um concurso, conhecer um novo esporte, acompanhar as novidades da associação que participa, qual o melhor vinho para um momento especial ou até mesmo escolher onde consertar a tela do celular, é provável que tenha achado uma informação produzida aqui, por um usineiro jornalista.

Afeitos por desbravar toda e qualquer novidade, certamente nos próximos 5, 10 ou 20 anos haverá uma nova plataforma, um novo formato e uma nova geração. Mais certo do que isso é que o trabalho do jornalista vai continuar sendo necessário e crucial. Talvez com outro nome, talvez com outra definição, mas com certeza um de nós estará lá para informar com responsabilidade e dedicação.

O texto não traz a resposta, apenas mais provocações.  Mas, me diga, como definir um profissional que é, por essência, o espírito da transformação?!

Quer ficar por dentro do que acontece na área da Comunicação? Nos acompanhe no @usinadenoticias e não perca nada! Até a próxima. 😊 

¹ – Definição do dicionário Michaelis – 

https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/jornalista/

Deixe um comentário

9 + quatro =